Biografias

BOB MARLEY

Bob Marley nasceu Robert Nesta Marley, no ano de 1945 em Saint Ann, na Jamaica. Devido a morte do pai, Bob muda para Kingston, capital da Jamaica, onde passa sua juventude.


Ele era tirado pelos jovens negros do seu bairro por ser mulato e baixo. Mas mostrou-se grande pela sua habilidade musical, postura e ideais libertários, popularizando o reggae no mundo todo.

Sobreviveu a tiros a mando do partido conservador da Jamaica, mas veio a falecer em 1981, com trinta e seis anos, devido câncer de pele desenvolvido a partir de uma unha do seu pé. Quando foi sugerido pelos médicos a decapitação do dedo para salvar o corpo, Bob não permitiu por ir contra sua religião, o rastafári, que entende que nada no corpo deve ser cortado ou mutilado.

Muito maior que sua associação com a maconha, Bob tornou-se o símbolo da liberdade, suas canções de redenção viraram hinos e sua imagem invoca a luta contra as opressões físicas e mentais do nosso sistema babilônico.

--------------------------------------------------------------------------
MAHATMA GANDHI



Mahatma Gandhi nasceu Mohandas Karamchandi Gandhi, em Porbandar na Índia, em 1869. Permeado por toda a infância pela cultura religiosa ocidental, casou-se seguindo tradições aos 13 anos com Katurba Gandhi, devido acordos familiares.
Seu pai decidiu que ele teria que ir para a Inglarterra estudar direito, e sua mãe o fez prometer que mantivesse distância do vinho, da carne e das mulheres. Na Inglaterra, Ghandi fundou um clube de vegetarianos, sua primeira investida em movimentos e organizações.
Gandhi cumpriu a promessa feita à mãe, e regressou à India como advogado aos vinte e dois anos. Porém, ao chegar na sua casa descobre que sua mãe havia falecido alguns anos antes.
Mahatma não se dá bem na carreira de advogado por causa da sua timidez. Esse é um fato de grande ensinamento de superação sabendo que anos mais tarde ele seria conhecido pelos discursos e liderança de milhões de pessoas.
Após um ano na ïndia, Gandhi vai para a África do Sul representar uma firma em um processo jurídico. Na África, Gandhi se depara com o apartheid e a discriminação, o que desPerta nele a consciência social. A partir daí, deu um novo sentido à advocacia. Era agora advogado para descobrir a verdade, e não para incriminar.
Gandhi começa a prticipar de ações e movimentos contra o apartheid, chegando a ser espancado na rua tendo sua vida salva pela esposa do superintendente policial e depois por um disfarce. Mesmo assim, se recusou a processar os agressores, pois agora ele enxergava que o inímigo é a injustiça e não o injusto.Gandhi permaneceu vinte anos na Índia, defendendo a minoria hindu, em atos de desobediência contra as leis opressoras e discriminatórias.
A filosofia de Gandhi consiste no Satyagraha, "a força da verdade" e do Ahimsa "não-violência". Devemos lutar de forma pacífica pela verdade e pela justiça, pois somos um e ferir ou atacar outra pessoa é atacar a nós mesmos.
Voltou para Índia já reconhecido e foi o líder da revolução pacífica de independência do país, oprimida pelo Império Britânico. As ações mais importantes foram as passeatas, as greves de fome, a desobediência civil e a desestruturação do sistema financeiro, deixando de financiarem suas próprias escravidões fazendo roupas próprias e returando sal do Mar, o que era proibido.
Se somarmos todo o tempo que Gandhi ficou preso, temos um valor de 6 anos. Conduziu milhões de pessoas, e a morte lhe passou perto várias vezes, até que veio pela arma de um hindu radical. Sua mensagem de não punir o agressor não foi cumprida, e o assassino foi enforcado.
Einstein disse assim de Gandhi: "Será difícil para as gerações futuras acreditar que um homem como Gandhi passou pela Terra"

-------------------------------------------------------
CHE GUEVARA




Ernesto Guevara de la Serna nasce numa família aristocrática de idéias socialista na cidade argentina de Rosário no dia 14 de junho de 1928. Desde pequeno sofre ataques de asma e por essa razão em 1932 se muda para as serras de Córdoba. Estudou grande parte do ensino fundamental em casa com sua mãe. Na biblioteca de sua casa havia obras de Marx, Engels e Lenin, com os quais se familiarizou em sua adolescência.
Em 1947 Ernesto entra na Faculdade de Medicina da Universidade de Buenos Aires, motivado em primeiro lugar por sua própria doença e desenvolvendo logo um especial interesse pela lepra. Durante 1952, realiza uma longa jornada pela América Latina, junto com seu amigo Alberto Granados, percorrendo o sul da Argentina, o Chile, o Peru, a Colômbia e a Venezuela. Observam, se interessam por tudo, analisam a realidade com olho crítico e pensamento profundo. Ernesto regressa a Buenos Aires decidido a terminar o curso e no dia 12 de julho de 1953 recebe o título de médico.
Em julho de 1953, inicia sua segunda viagem pela América Latina. Nessa oportunidade visita Bolívia, Peru, Equador, Colômbia, Panamá, Costa Rica, El Salvador e Guatemala. Ao visitar as minas de cobre, as povoações indígenas e os leprosários, Ernesto dá mostras de seu profundo humanismo, vai crescendo e agigantando seu modo revolucionário de pensar e seu firme antiimperialismo. Na Guatemala conhece Hilda Gadea, com quem se casa e de cuja união nasce sua primeira filha.
Convencido de que a revolução era a única solução possível para acabar com as injustiças sociais existentes na América Latina, em 1954 Guevara marcha rumo ao México, onde se une ao movimento integrado por revolucionários cubanos seguidores de Fidel Castro. Foi aí onde ele ganhou o apelido de "Che", por seu jeito argentino de falar.
A fins da década de 1950, quando Fidel e os guerrilheiros vão para Cuba, Che os acompanha primeiro como médico e logo assumindo o comando do exército revolucionário. Finalmente, no dia 31 de dezembro de 1958, após muita luta e passar perto da morte e do fracasso, cai o ditador cubano Fulgencio Batista.
Após o triunfo da Revolução, Che Guevara é nomeado Ministro da Indústria e posteriormente Presidente do Banco Nacional. Desempenha simultaneamente outras tarefas diversas, de caráter militar, político e diplomático. Em 1959 casa-se, em segundas núpcias com sua companheira de luta, Aleida March de la Torre, com quem terá mais quatro filhos. Visitam juntos vários países comunistas da Europa Oriental e da Ásia.

Oposto energicamente à influência norte-americana no Terceiro Mundo, a presença de Guevara foi decisiva na configuração do regime de Fidel e na aproximação cubana ao bloco comunista, abandonando os tradicionais laços que tinham unido Cuba e Estados Unidos.
Chê vivia aquilo que acreditava como poucos na história da humanidade, e isso que lhe trouxe a posterioridade. Mesmo sendo uma das pessoas mais importantes politicamente, ia nos fins-de-semana puxar trator na colheita de cana-de-açucar, junto aos trabalhadores.
Em 1962, após uma conferência no Uruguai, volta à Argentina e também visita o Brasil. Che Guevara esteve ainda em vários países africanos, principalmente no Congo. Lá lutou junto com os revolucionários antibelgas, levando uma força de 120 cubanos. Depois de muitas batalhas, terminaram derrotados e no outono de 1965 ele pediu a Fidel que retirasse a ajuda cubana.
Desde então, Che deixou de aparecer em atividades públicas. Sua missão como embaixador das idéias da Revolução Cubana tinha chegado ao fim. Em 1966, junto a Fidel, prepara uma nova missão na Bolívia, como líder dos camponeses e mineiros contrários ao governo militar. A tentativa acabou significando sua captura e posterior execução no dia 9 de outubro de 1967. Os restos do Che descansam no mausoléu da Praça Ernesto Che Guevara em Santa Clara, Cuba.