Poema - Se

Se
Autor: Rudyard Kipling
Tradução: André Ebner


Se você é capaz de manter a calma quando todos ao seu redor
Perderam a deles e te culpam por isso,
Se você pode acreditar em si mesmo quando ninguém mais acredita
Mas tolerar a dúvida deles também
Se você é capaz de esperar e não cansar de esperar
Ou ser mentido, e não devolver mentiras
Ou ser odiado, e não dar vazão para o ódio
E ainda não querer parecer bom demais, nem erudito demais

Se você pode sonhar – e não fazer de seus sonhos seu patrão,
Se você pode pensar – e não ter os pensamentos como um fim
Se você pode conhecer a Glória e a Derrota
E tratar esses dois impostores da mesma maneira;
Se você pode suportar ouvir as suas verdades
Transformadas pelo Zé-povim em armadilhas para os tolos
Ou assistir as coisas que deu a vida para conseguir, quebradas
e parar e reconstruí-las com ferramentas impróprias.

Se você pode juntar todos seus prêmios
e arriscar num jogo de par-ou-ímpar
e perder, e começar tudo outra vez
sem nunca lamentar uma palavra sobre a perda
Se você pode forçar seu coração e nervo e músculo
A dar tudo de si mesmo quando eles já estão esgotados
E não sobrar mais nada em você
A não ser a Vontade que diz para eles: ‘Resistam!’

Se você é capaz de falar com multidões e manter suas virtudes
Ou caminhar com autoridades – e não perder seu jeito comum de ser
Se nem atrasa-lado e nem parceiro podem machucar você,
Se todo homem conta com você, mas não excessivamente;
Se você é capaz de preencher um minuto imperdoável
Com sessenta segundos de valer a pena
Sua é a Terra e o que mais há nela,
E – o que é melhor – você será um Guerreiro, mano!

Nenhum comentário: